segunda-feira, 13 de novembro de 2017

NOVEMBRO PRETO: QUE TIPO DE NEGROS (AS) NÓS DEVEMOS LUTAR E DEFENDER?

Mais uma vez, sem querer chato, mas martelando na mesma epístola, novamente cito aqui a necessidade do revisionismo que devemos ter em relação aos nossos.

Na semana que se passou, precisamente na data de 10/11/2017, sofri um ataque pessoal de ofensas do pior baixo nível em direção a pessoa que mais amo no mundo: a minha mãe. Mas esse episódio, não foi a único a ocorrer para que esse pensamento em relação aos nossos, fosse difundido.

Também tive um embate, com mulheres negras em razão de uma publicação minha regional, criticar a postura da maioria das mulheres negras locais, em não apoiar o rap e hip hop mas se sentirem no direito de criticá-lo. Pra quê, fui atacado de diversas maneiras nas redes sociais, ataques esses dirigidos a mim, em que as atacantes se quer procuraram saber do que se realmente se tratava. E novamente o nome da minha mãe entrou no meio.

Tem uns três anos, que estou receoso nessa nossa luta, por causa dessas agressões radicais e muita das vezes gratuitas deferidas pelos nossos. O fervor da luta que antes germinava com total afinco, hoje gradualmente vai ser tornando algo em diluição.

Abaixo deixo um link, de mais um ataque gratuito sem sentido, sofrido por um dos nossos, negro que sempre lutamos pela sua melhoria também, ataques deferidos numa publicação de um vereador. Deixo também o link da publicação para que entendam, a crueldade insana dessas ofensas dirigidas a minha mãe sem sentido.

Abraços fraternos a todos.

MARCELO SILLES
ASSISTENTE SOCIAL, RAPPER E PRESIDENTE DO DIRETÓRIO ESTADUAL DO FRENTE FAVELA BRASIL DO ESPÍRITO SANTO


Link da postagem que originou os debates e a ofensa: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1595819677145911&set=a.368963009831590.83075.100001536831269&type=3&theater&comment_id=1596316367096242&notif_t=like&notif_id=1510397056442096




2 comentários:

  1. Continuam 'negras' na Espirito santos..a lei de libertação foi ignorada ?

    ResponderExcluir
  2. Ainda não se trabalhou a ressignificação.

    ResponderExcluir