terça-feira, 12 de abril de 2016

Mano Brown se posiciona sobre a crise política e revela detalhes do álbum solo em programa de rádio


Na última sexta-feira (8), Mano Brown participou do programa “Alta Frequência” da rádio BandNews FM. Brown trocou uma ideia com a jornalista Tatiana Vasconcellos e a conversa rendeu alguns assuntos interessantes, entre eles o álbum solo do Brown, “Boogie Naipe”, a parceria com o Naldo em “Benny e Brown” e também o posicionamento do rapper em relação ao cenário político brasileiro.

Disco “Boogie Naipe”

Sobre o álbum Brown revelou que o projeto terá 30 musicas e 12 colaborações no vocal. Sobre o romantismo que o disco propõe trazer, Mano Brown afirma que é uma evolução e diz que o romantismo que o Racionais carrega estará concentrado no disco — Apesar do conteúdo pesado das letras do Racionais Mc’s, a maioria de suas instrumentais utilizam samples de clássicos da música romântica mundial.
Brown ainda afirmou que o disco está sendo feito com uma roupagem bastante atual, com produtores jovens e que reflete as ruas de hoje. “A maioria dos meus roles é na quebrada. Quem me conhece sabe disso“, disse.




Crise Política

Sobre o momento político do país, o cantor acredita que exista muita hipocrisia. “Se você sabe que seu país passa por uma crise e você investe no dólar, você está sangrando seu país. Se você compra um celular roubado, você está contribuindo para isso… É muita hipocrisia. Eu também luto contra a hipocrisia contra o nosso movimento. Onde a verdade não vale, o que vale é a aparência“, disse.

Mano Brown também acredita que o país foi sabotado. “Acho que há muitos interesses para que o Brasil não continuar nesse caminho (igualdade social)” diz, “tem gente que não ta contente com as divisões que foram feitas após o governo Lula. Tem gente que vivia muito melhor, tipo… Vivia do privilégio, não da justiça, entende?!“. E exemplifica: “Na nova divisão o dinheiro teve que ser compartilhado/repartido com uma parte da população que não via dinheiro, não comia, não vestia, não tinha vontade de viver mais“.

Brown ainda reafirmou que não está defendendo o atual governo. “Não to aqui defendendo nada. Quem errou tem que pagar seja quem for, tendeu?! Pode ser o Mano Brown, pode ser o Papa Francisco, pode ser quem for, errou tem que pagar mano.


E pra finalizar o líder do Racionais diz que as pessoas que querem entrar no poder através de impeachment estão com outras ambições: “O triste é ver que eles não estão preocupados com o Brasil, eles só tão preocupados em substituir quem tá no poder. (…) Ninguém tá preocupado em resolver o problema“. Confira na íntegra — a ideia do disco é logo no início, já a parte da crise política é a partir dos 3:30:

video

Parceria com Naldo


Segundo cantor, o Brasil trabalha o preconceito de forma sofisticada. “O Naldo também expressa o lugar de onde ele vem. Eu, por ser de São Paulo, por ter minhas particularidades, achei interessante essa mistura com o Rio de Janeiro. Não achei que seria tão polêmico“, disse.

No decorrer do caminho, descobri que tinha que lidar com vários preconceitos. O Brasil trabalha o preconceito de uma forma muito sofisticada. Está tudo meio reacionário. Até caras que escutam Racionais conseguem ser reacionários, racistas e carregados de preconceito com eles mesmos“, completou.

Mano Brown ainda criticou quem acredita que o rap se afastou da periferia por não falar mais violência. “Acho que tem muita gente vivendo uma vida boa e querendo ouvir música de morte. O cara está lá na sua academia, ouvindo sobre violência na periferia. É um fetiche, uma curiosidade mórbida, mas a revolução não é isso. Revolução é nas pequenas e nas grandes coisas. Revolução não se faz apenas no rap. Você pode ser revolucionário sendo servente de pedreiro ou atendente de balcão de lanchonete“, explicou.

FONTE:http://www.rapnacionaldownload.com.br/33016/mano-brown-sobre-a-crise-politica-e-album-solo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário